Siga o Noticiasdetv.com


 

 

Teatro

Claudia Ohana interpreta Maria Callas e Juliana Knust Marilyn Monroe no espetáculo Parabéns, Sr. Presidente In Concert

Matéria publicada em

Cláudia Ohana (Foto: Reprodução)

O 45º aniversário do então Presidente John Kennedy, comemorado em 19 de maio de 1962, ficou marcado na mitologia dos anos 1960 com a imagem de Marilyn Monroe cantando um “Happy Birthday” tão sexy quanto histórico. Nessa noite, Maria Callas foi ovacionada ao cantar “Habanera” da ópera “Carmen”.  Callas e Monroe se conheceram rapidamente nos bastidores do Madison Square Garden.

Esse encontro é o ponto de partida de Parabéns Sr. Presidente, In Concert que estreia dia 25 de setembro no Teatro dos Grandes Atores, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Com Patrocínio da Eurofarma,  texto de Fernando Duarte e Rita Elmôr, música original de Maíra Freitas e direção de Fernando Philbert, o espetáculo narra o encontro de Maria Callas e Marilyn Monroe nos bastidores da festa do Presidente Kennedy. A história transporta a plateia para o ano de 1962. Quem nunca viu a cena clássica de Marilyn Monroe cantando Happy Birthday Mr. President? A loira fez a versão de “Parabéns pra Você”, entrar para a história. Antes dela subir ao palco, com seu vestido de sereia rosa chá, grandes artistas se apresentaram, entre eles, Maria Callas, a atração mais aplaudida da noite.

O texto organiza um diálogo que expõe, ao mesmo tempo, as distâncias e as proximidades entre as duas, ressaltando a beleza do universo feminino em sua complexidade.  Em cena, dois dos maiores mitos da feminilidade do século XX: Marilyn Monroe, a mais absoluta encarnação da carência afetiva, e Maria Callas, uma voz de diamante em forma de mulher.  Dividindo o mesmo espaço por uma hora, as duas mulheres mais famosas do mundo, conversam e cantam sobre o universo particular de cada uma, sem imaginar que Marilyn iria falecer dois meses depois.

São duas mulheres icônicas que tiveram grande projeção e fins trágicos. A grande questão é como duas pessoas de universos tão distintos se relacionariam e o olhar diferente que tinham sobre uma série de situações.  Mais do que falar de Callas e Monroe, o texto aborda temas relevantes sobre o universo feminino. Em cena, as duas mulheres – independentes e bem-sucedidas – o que era raro nos anos 1960, falam com franqueza sobre assuntos ainda em pauta nos dias de hoje.

O espetáculo explora, graças ao duelo verbal entre as duas, o drama feminino dos tempos recentes, a divisão entre afeto e realização, o conflito diante do papel a desempenhar em um mundo ainda regido pelos homens. A partir da diferença inicial entre as duas, a trama desnuda, com humor, ironia e deliciosas sutilezas de raciocínio o drama único que envolve muitas mulheres em nosso tempo. Fala de nós, hoje e não apenas de figuras célebres. A história está na esquina dos dias de todos os que enfrentam a luta da vida.

MARIA CALLAS

A mulher que traduzia fielmente o feminino no que diz respeito à força e fragilidade. Nesta obra teatral, são compartilhados as dúvidas e medos de “La Divina Callas”, a imperatriz do Bel Canto, que nos deixou como herança sua voz imortal. Callas, a diva das divas. Única. Uma força da natureza. A indomável Callas, geniosa, intempestiva, era regida pelos sentimentos. Sua história de vida foi tão dramática quanto às personagens que interpretou nas óperas. A maior soprano da história e um dos maiores mitos do século XX, teve sua vida marcada por glórias e tragédias. Ela revolucionou a história da ópera e ainda hoje é considerada a maior cantora lírica de todos os tempos.

MARILYN MONROE

A simples menção ao nome Marilyn Monroe desperta o imaginário de muitas formas.  Para alguns, sugere o padrão absoluto da sensualidade feminina. Beleza. Graça. Sofisticação. Para outros, vem à mente insegurança. Infelicidade. Tragédia. Mas para apreciar a vida complexa e fascinante dessa mulher enigmática é preciso deixar de lado quaisquer noções preconcebidas sobre ela, tarefa, com certeza, difícil, considerando o seu status de iconoclasta.  Dizer que nenhuma outra atriz vendeu tanto quanto ela, nem começa a explicar a importância que teve para o mundo do cinema. Ainda hoje é vista nas vitrines da vida como uma referência que nunca sai de moda. No entanto, por trás do sorriso fotogênico, era uma pessoa frágil e vulnerável, tinha uma combinação de esplendor e anseio que a destacava. Longe dos holofotes, sem a maquiagem que a transformava no mito Marilyn Monroe, às vezes, passava despercebida.

FICHA TÉCNICA

Texto: Fernando Duarte e Rita Elmôr. Direção: Fernando Philbert. Elenco: Claudia Ohana e Juliana Knust. Música original: Maíra Freitas. Preparação vocal: Paolla Soneghetti. Cenário e figurinos: Fernando Duarte. Iluminação: Vilmar Olos. Projeções: Aníbal Diniz. Visagismo: Chico Toscano. Perucas: Alessandra Amorim. Fotos: Pino Gomes. Cenotécnico: André Salles e equipe. Operador de som: Bob Nascimento. Operador de luz: Luiz Martins. Diretor de cena: Ricardo Silva. Operação de vídeos: Aníbal Diniz. Designer Gráfico: Thiago Ristow. Coordenação de produção: Fernando Duarte. Direção de produção: Fabrício Chianello. Produção:  Vissi Darte Produções. Realização: Smille Produções Artísticas e Experiência Entretenimento. Assessoria de Imprensa: Carlos Gilberto

SERVIÇO

Estreia: 25 de setembro – Sábado. Horários: 19 e 21h. Local: Teatro dos Grandes Atores – Barra da Tijuca. Temporada: Até dia 4 de dezembro. Endereço: Av. das Américas, 3555. Lotação:  142 lugares.  Devido ao decreto fica estabelecida a capacidade em 40% da lotação.

Vendas
ANTECIPADAS
: R$ 50,00 – Vendas promocionais pela internet – divertix.com.br

Bilheteria: Ingressos promocionais a partir de R$ 60,00 (apenas em dinheiro) Classificação:  12 anos. Duração: 60 minutos.  Vendas: divertix.com.br

Advertisement