Exclusivo: Agatha Moreira vive dançarina no filme “Pixinguinha – Um Homem Carinhoso”

noticiasdetv.com
noticiasdetv.com

A atriz Agatha Moreira interpreta uma famosa dançarina francesa, chamada Gabriela, no filme de longa-metragem “Pixinguinha – Um Homem Carinhoso” (escrito por Manuela Dias), que entra em cartaz no cinema nacional a partir de setembro desse ano e em exibição na Rede Globo a partir de janeiro do ano que vem. 

Na história, dirigida por Allan Fiterman (“A Força do Querer”) e Denise Saraceni (“A Lei do Amor”), sua personagem fica famosa por popularizar, a nível mundial, uma modalidade de dança – o maxixe – que é vista com desprezo pela alta sociedade brasileira de época, pelo fato de ser criada por afrodescendentes. 

Ela é convidada pelo produtor Arnaldo Guinle (Klebber Toledo) para apresentar o maxixe, acompanhada do grupo “Os Oito Batutas”, em uma boate na cidade de Paris, na França, durante seis meses. Graças ao sucesso das apresentações, o músico Alfredo da Rocha Vianna Filho (Danilo Ferreira/Luan Bonitinho/Seu Jorge) também fica conhecido.

A narrativa do produto em questão, que é produzido pela empresa Globo Filmes e distribuído pela empresa Downtown Filmes, é centrada na vida pessoal e na vida profissional do músico Alfredo da Rocha Vianna Filho, apelidado como Pixinguinha, que é considerado como o pai do gênero MPB – Música Popular Brasileira. 

“Gênio incompreendido e muito à frente de seu tempo, só teve sua importância reconhecida muitos anos depois. A vida do famoso músico, menino negro de classe média baixa é contada desde suas primeiras performances antológicas na flauta; a composição de suas muitas obras primas, dentre as quais “Carinhoso” o verdadeiro hino popular brasileiro, que faz 100 anos em 2017; sua temporada de 6 meses em Paris em 1922 com o retumbante êxito de seu conjunto “Oito Batutas”; seus arranjos como primeiro diretor musical para a Victor americana nos anos 30, sua decadência e ressurgimento nos anos 40; sua consagração nos anos 60 pelas mãos das novas gerações da bossa nova e do jazz; e sua morte na igreja N. S. da Paz no Rio de Janeiro em pleno carnaval de 1973 durante a passagem da Banda de Ipanema”, descreve a sinopse.