Resumo Diário: Novela “Escrava Mãe”: 14/11/2016

Capítulo 119: Segunda-Feira: 14/11/2016

Tia Joaquina e Sapião conversam sobre o fato de Juliana dormir tanto. Sapião mostra para Tia Joaquina a moringa que estava ao lado de Juliana e que tem algumas ervas dentro que fazem dormir. Eles concluem que foi Maria Isabel que mandou o Guiné dar esta água para Juliana. Tozé e Rebeca estão preocupados por não encontrarem a carta de alforria. Felipa está revoltada com o que fizeram com Genésio e pede que Quintiliano tome uma atitude. Teresa diz para Irani que quer que seu filho venha ao mundo por suas mãos. Batem na porta e Maria Isabel entra querendo falar com Teresa. Beatrice está dentro da fonte e Dr. Pacheco, Urraca e Zé Leão tentam de todas as formas tirá-la de lá. Ninguém consegue. Tito Pardo fala delicadamente com Beatrice e estende a mão para tirá-la da água. Beatrice o reconhece e sai da água tremendo de frio. Catarina e Quintiliano olham para Genésio que está deitado e desacordado. Catarina diz que um escravo sem mão é um custo para o senhor, mas Quintiliano diz que Genésio não é um escravo qualquer e terá o seu apoio. Miguel aguarda o julgamento. Filipa diz a Tomás que vai até a Câmara tirar satisfação, mesmo sabendo que Miguel será julgado. Maria Isabel provoca Teresa dizendo que ela conseguiu virar o jogo. Maria Isabel diz que Almeida está com ela simplesmente por causa do filho que espera e que ele nunca se sentiu atraído por ela. Maria Teresa diz à Teresa que Almeida sempre a procura em busca dos encantos que a esposa não tem. Teresa fica em choque com o que escuta. Elas discutem. Almeida diz para Dr. Pacheco atestar insanidade de Beatrice.  Dr. Pacheco concorda. Almeida sorri satisfeito. Quando  os escravos estão trabalhando no canavial, Sapião, furiosos, diz a Guiné que ele tentou matar Juliana. Guiné e Sapião lutam. Juliana acorda e diz que precisa defender Miguel no julgamento. Irani e Tia Joaquina pedem para ela se tranquilizar. Começa o julgamento com as presenças de Almeida, Guilherme, Osório, Dr. Pacheco, Miguel,  o juiz de fora e outros senhores. Sapião tem a oportunidade de matar Guiné com um facão, mas desiste e ajuda Guiné a se levantar. Todos voltam a trabalhar no canavial. Almeida interrompe o julgamento de Miguel para dizer que tem uns documentos e pede que os soldados do capitão Osório busquem Catarina. Tomás fala ao pai que amanhã chegará a princesa filha do sheik para se casarem. Quintiliano diz que ficará honrado em recebe-la com o pai. Tomás fica confuso sem saber o que fazer. Filipa conversa com Charles para saber se existe alguma pista para provar que foi Almeida que mandou Osório matar o Barbudo. Charles diz que pode ser perigoso, mas Filipa diz decididamente que já sabe o que fazer. Juliana se encontra com Sapião e diz que vai ao julgamento para ser ouvida e tentar ajudar Miguel. Sapião a impede, mas Juliana se solta e sai correndo.  Almeida diz que Miguel e Juliana estavam fugindo no porão de um barco quando um homem flagrou a fuga. Guilherme sugere que este homem seja ouvido como testemunha e pede que algum soldado busque este homem na hospedaria. Assustado, Almeida pergunta a Guilherme como ele sabe que este homem está na hospedaria. Filipa e Charles estão na hospedaria em busca de provas quando ela encontra uma.  Almeida começa a contar a todos o que aconteceu na hospedaria e diz a Guilherme que a informação chegou até ele e que um dos criminosos fugiu e outro está em sua frente. Guilherme fica chocado. Catarina conta para Esméria que ganhou a liberdade mas o conde não registrou a alforria no cartório porque morreu antes. Neste momento, soldados batem na porta da casa de Catarina.  Teresa chama Maria Isabel de traidora e diz que ela seria capaz de eliminar qualquer pessoa que atrapalhe seus planos. Teresa chama Maria Isabel de assassina, que se assusta com o que ouve. Guilherme é levado para uma cela por Osório. Quintiliano aponta uma arma para Osório e pede para soltar Guilherme. Miguel diz que o julgamento foi uma armadilha. Almeida diz que Miguel deve ser condenado à morte. Juliana invade o local, corre para os braços de Miguel e diz que se matá-lo terão que matá-la também.