Novela de Aguinaldo Silva, “O Sétimo Guardião”, terá realismo fantástico como tema central

Com previsão de estreia para abril de 2018, sob a direção geral de Pedro Vasconcelos e a direção artística de Rogério Gomes, a próxima novela do autor-roteirista Aguinaldo Silva, “O Sétimo Guardião”, terá o realismo fantástico como tema central, assim como aconteceu com “Saramandaia” (adaptada por Ricardo Linhares a partir do argumento de Dias Gomes). É o retorno do profissional ao estilo, conhecido pelo público como um universo mágico onde tudo pode acontecer, que foi deixado de lado após sucessos como “Tieta”, “A Indomada” e “Porto dos Milagres”. A história será ambientada em uma fictícia cidade rural do interior do Brasil.

Com as novas regras que foram impostas pelo diretor do núcleo de dramaturgia da Rede Globo, Sílvio de Abreu, o autor-roteirista ainda não pode convocar os atores que são pretendidos por ele para o elenco da produção, ou seja, as reservas não são possíveis, nem formalmente, nem informalmente. Contudo, na lista dele estão Alexandre Nero, Anitta, Chay Suede, Elizabeth Savala, Ísis Valverde, Lilia Cabral, Marina Ruy Barbosa, Maurício Destri e Renata Sorrah. É que a prioridade na escalação de elenco agora é de “À Flor da Pele” (de Glória Perez) e “O Outro Homem” (de Thelma Guedes e Duca Rachid).

A novela “O Sétimo Guardião” será exibida no horário nobre da emissora carioca, ou seja, na faixa das 21h, que atualmente é ocupada por “Velho Chico” (de Benedito Ruy Barbosa e Bruno Barbosa Luperi). Antes dela, porém, a Rede Globo ainda vai exibir, “A Lei do Amor” (de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari), “À Flor da Pele” (de Glória Perez) e “O Outro Homem” (de Thelma Guedes e Duca Rachid). Depois dela, por sua vez, voltam ao ar os autores-roteiristas Walcyr Carrasco, João Emanuel Carneiro, Lícia Manzo e Manuela Dias, cujos pesquisas para a construção da história não começaram.

É proibido copiar, reproduzir e reescrever, integralmente ou parcialmente, o conteúdo do site Notícias de TV, sob pena de ação judicial pelo crime de violação de direito autoral, previsto no código penal brasileiro e na legislação internacional. Os direitos referentes ao conteúdo publicado são integralmente reservados ao site em questão.