Na próxima novela das 21h da Rede Globo, “A Lei do Amor”, que será exibida, na sequência de “Velho Chico” (de Edmara Barbosa e Bruno Barbosa Luperi), a partir do dia 3 de outubro, com autoria de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, direção geral de Fabrício Mamberti e direção artística de Denise Saraceni, as atrizes Cláudia Raia (“Alto Astral”) e Maria Flor (“Sete Vidas”) serão Salete e Clara: mãe e filha. O folhetim em questão está previsto para anteceder outras produções que estão confirmadas na programação da emissora carioca, que são “À Flor da Pele” (de Glória Perez), “O Outro Homem” (de Thelma Guedes e Duca Rachid) e “O Sétimo Guardião” (de Aguinaldo Silva).

Na história, a popularesca Salete, que vai se envolver com os personagens dos atores Reynaldo Gianecchini e Renato Góes, é dona de um posto de gasolina da fictícia cidade de São Dimas, que faz fronteira com a capital de São Paulo. Predadora, ela sugere que os frentistas, que são os seus funcionários no estabelecimento, trabalhem descamisados. Já a sua filha, Clara, é uma DJ de badaladas festas raves. A mãe tanto apoia quanto frequenta os eventos em que a filha participa, mas tudo muda quando a irmã mais nova de Clara sofre uma perigosa overdose em uma dessas festas raves.

Integram o elenco da novela “A Lei do Amor” os atores Alice Wegmann, Ana Rosa, Arianne Botelho, Bianca Muller, Bruna Hamú, Camila Morgado, Carol Macedo, Chay Suede, Cláudia Abreu, Cláudia Raia, Daniel Rocha, Danilo Ferreira, Denise Fraga, Emanuelle Araújo, Giulia Gam, Heloísa Périssé, Humberto Carrão, Gabriela Duarte, Grazi Massafera, Isabella Santoni, Isabelle Drummond, José Mayer, Luciano Quirino, Maria Flor, Maurício Destri, Mayana Neiva, Mila Moreira, Otávio Augusto, Raffael Pietro, Regiane Alves, Regina Braga, Regina Duarte, Renato Góes, Reynaldo Gianecchini, Ricardo Tozzi, Sophia Abrahão, Tarcísio Meira, Tato Gabus Mendes, Thiago Lacerda, Tuca Andrada e Vera Holtz. 

É proibido copiar, reproduzir e reescrever, integralmente ou parcialmente, o conteúdo do site Notícias de TV, sob pena de ação judicial pelo crime de violação de direito autoral, previsto no código penal brasileiro e na legislação internacional. Os direitos são reservados.