Dan Stulbach e Guilherme Prates farão o filme “O Vendedor de Sonhos”

Os atores Dan Stulbach (que viveu Luiz na série “Os Experientes”) e Guilherme Prates (que viveu Jonas no remake da novela “O Rebu”) estão confirmados no elenco do filme de longa-metragem “O Vendedor de Sonhos”, dirigido por Jayme Monjardim, que se trata de uma versão cinematográfica do cineasta L. G. Bayão para o livro homônimo do escritor Augusto Cury. Completam o time César Troncoso, Cláudia Netto, Cristine Peron, Geytsa Garcia, Giselle Prattes, Kaik Pereira, Leonardo Medeiros, Marcelo Flores, Marcelo Valle, Marcelo Várzea, Nelson Baskerville, Stella Freitas e Thiago Mendonça. 

Na história, o ator Dan Stulbach vai viver Júlio César, um professor de psicologia que tenta se suicidar do alto de um prédio, mas é convencido por um homem misterioso e um tanto quanto desleixado, Mellon (César Troncoso), a não atentar contra a sua própria vida, tendo em vista que é possível resolver os seus problemas sem deixar a desilusão atrapalhar os seus planos. As palavras de Mellon tocam fortemente o coração de Júlio César, que passa a ajudar o mestre a salvar outras vidas, como é o caso, por exemplo, do alcoólatra Bartolomeu (ator não divulgado), do bandido Dimas (ator não divulgado), do adoentado Salomão (ator não divulgado) e da bulímica Mônica (atriz não divulgada). 

O passado de Mellon, que é visto como um mestre misterioso, também é desvendado na obra. Algum tempo antes da narrativa começar, ele perde a esposa Beatriz (Giselle Prattes) e a filha Julieta (Geytsa Garcia) em um grave acidente, motivo pelo qual deixa de ter vontade de continuar comandando uma grande empresa. Sem mais se importar com a vida luxuosa que leva, o mestre passa então a se vestir com certo desleixo, ou seja, sem vaidade alguma, para recuperar a vida e o sonho das pessoas depressivas. A mudança é tão radical que as pessoas não reconhecem no vendedor de sonhos o grande empresário.

É proibido reproduzir, reescrever ou copiar, integralmente ou parcialmente, o conteúdo do site Notícias de TV, sob pena de ação judicial pelo crime de violação de direito autoral, previsto no código penal brasileiro. Todos os direitos são reservados.