Confira o resumo da minissérie “Sansão e Dalila” de 14/03/2016 a 18/03/2016

Capítulo 006, segunda-feira, 14 de março de 2016

Sansão despeja uma pilha de roupas sujas de sangue em cima de Faruk e outros soldados. Ele diz que aquele é seu pagamento. Quando ele vai sair, Ieda tenta abraçá-lo, mas Sansão a empurra e a faz cair. Simas o expulsa. Dalila está diante de Hannah que a expulsa do palácio. Dalila tenta se defender até que as duas olham para o punhal e avançam sobre ele, travando uma luta pela arma. O punhal desliza para a entrada e para sob o pé Abbas. Dalila abraça o comandante e diz que Hannah tentou agredi-la. A mulher tenta se defender, mas Abbas a pega pelo braço e sai, levando-a. Jana e outras cortesãs vão até Tais incrédulas com a expulsão de Hannah diante de seus próprios olhos. Tais diz que Dalila pagará pelo que fez, já que o comandante não faz nada em vão e seu preço é alto. Abbas está analisando o punhal e Dalila entra, a pedido do comandante. Ela agradece, mas o comandante diz que sabe o que Dalila fez. A moça tenta seduzi-lo mas Abbas a joga na parede, rasgando sua roupa e beijando seu corpo de maneira voraz. Os homens do povoado de Sansão discutem exaltados sobre a pobre colheita que fizeram. Zilá culpa Sansão por tudo de ruim que está acontecendo ao ter renegado a responsabilidade como juiz do povo. Sansão caminha sozinho até que o Andarilho se aproxima dele. Sansão conta que foi traído por sua esposa. O Andarilho orienta Sansão para que siga seu caminho. O hebreu fica desorientado enquanto o Andarilho se afasta. Os príncipes chegam até o palácio enquanto as mulheres se preparam. Myra anuncia que apenas Dalila fará a abertura para o banquete. Todas ficam chocadas. Simas comemora a fartura de sua colheita. Ele se assusta ao ver Sansão se aproximar. Sansão se dirige para a casa de Simas sendo seguido pelo homem que parece aflito. Sansão quer ver Ieda, mas Simas tenta impedi-lo dizendo que ela não está em casa. Judi vê Sansão e conta que sua irmã está no quarto. Sansão vai até lá e quando abre a porta se depara com Faruk se levantando da cama. Sansão fica perplexo diante do que vê. Ieda ainda se explicar, mas é impedida por Faruk. Sansão sai furioso e Simas ainda o alcança, tentando se justificar, em vão. Myra entra no quarto das meretrizes carregando roupas e anuncia que apenas Dalila irá se apresentar. Tais fica indignada e questiona o que ela tem de especial. É quando Dalila entra, vestida de maneira altiva com muitas joias chamando a atenção de todas. Jidafe está diante de alguns homens orientando sobre a distribuição da colheita. Héber diz a Samara que Sansão deveria saber o que está acontecendo. Héber dá a entender que irá atrás do herói. Samara se enche de esperanças mas ele pede que não conte para Zilá. Aron envia um mensageiro para pedir reforço de Abbas, aumentando a raiva de Faruk. Sansão incendeia as searas dos filisteus. Héber caminha por locais desertos, entre as cidades. Dalila cumprimenta os cinco príncipes e começa a dançar para eles sendo presenteada por todos. Abbas está por ali e um soldado diz algo em seu ouvido. O comandante se afasta. Dois soldados seguram Hannah. Sansão cai exausto em meio ao incêndio. Faruk e os soldados chegam às searas e se deparam com a destruição causada pelo fogo. Dalila entra exausta no quarto, repleta de joias. Tais fica com inveja e pede a ajuda de Jana para acabar com Dalila. Se não concordar, Tais ameaça contar para Abbas o que Jana faz ao sair do palácio. Myra vai até Dalila e diz que o comandante a espera. Dalila se dirige para a sala de Abbas e para na porta ao vê-lo falando com soldados sobre a incompetência de Faruk em deter Sansão. Ele vê Dalila e ordena que os soldados se preparem para ir até Timna. O comandante alerta Dalila sobre a presença de Hannah e o risco de morte que pode correr. Ele diz a Dalila que ela lhe pertence e a beija calorosamente. Sansão está lavando seu rosto no rio e Héber o chama. Judi entra no quarto de Ieda e pede desculpas por tudo o que já fez. Ieda se emociona e abraça sua irmã. Héber fala sobre o comportamento de Jidafe no povoado, mas Sansão não lhe dá ouvidos. Ele conta que foi traído por Ieda. Yunet vai até o quarto das mulheres e alerta Dalila sobre o perigo que Tais pode representar. Jana e Tais vão até uma feiticeira buscando uma forma de afastar Dalila de seus caminhos. A mulher diz que nada pode fazer, então Tais pede um veneno para acabar com a vida de sua inimiga. Sansão fala sobre a traição e Héber questiona se Sansão ouviu sua esposa. Héber aconselha seu amigo a evitar uma guerra contra os filisteus e Sansão decide voltar para seu povoado levando Ieda. Abbas e outros soldados caminham pelos campos destruídos. Ele diz que Faruk morrerá por sua incompetência, mas o soldado pede mais uma chance. O comandante ordena que Faruk seja acompanhado por outros soldados e busque Sansão pela cidade. Abbas culpa Ieda e sua filha família pelo incêndio e manda Aron e outros soldados queimarem sua casa.

Capítulo 007, terça-feira, 15 de março de 2016

Simas decide fugir com suas filhas antes que seja tarde. Aron e os soldados chegam até a casa de Simas. Ele indica o local para os soldados seguirem até lá. Simas está recolhendo seus pertences até que chega Aron, querendo saber onde está Sansão. Ele responde que não sabe, então os soldados o amarram juntamente com suas filhas e distribuem palha pela casa. Um criado traz uma bandeja com frutas e taças. Tais se detém ao passar por ele e fica sabendo que tudo é para Dalila. Ela fica com a bandeja enquanto convence o criado a voltar até a cozinha. Tais pinga gotas de veneno nas duas taças. Soldados filisteus seguram algumas tochas aguardando o comando, até que Aron ordena que queimem a casa. O fogo consome a casa de Simas e Faruk chega a cavalo e quer saber o que está acontecendo. Aron diz que são ordens do comandante. Ele ainda tenta entrar na casa mas o fogo o impede e os soldados o seguram. A bandeja de frutas e pães chega até Dalila que convida Myra, Jana e Yunet para se juntarem em sua refeição. Ela coloca as taças diante de Myra e Yunet. Tais observa a tudo da porta. Alguns homens entram no palácio carregando alimentos. Hannah entra escondida entre eles. Sansão chega quando a casa de Simas arde em chamas. Soldados ainda tentam impedi-lo, mas ele os abate sem desviar de seu caminho e entra. Na casa ele vê Simas morto, abraçado com Judi. Dalila, Jana e Yunet se alimentam descontraídas. Myra conta sobre um soldado que conheceu em Gaza e pega uma taça. Quando vai beber o líquido ouvem algo. Cario está tentando impedir que Hannah invada o local. Ela empurra o jardineiro. Myra deixa a taça cair, derrubando o líquido. Sansão retira os escombros à procura de Ieda e a encontra num canto da sala, ferida. Ele a pega no colo. Hannah avança sobre Dalila. Myra consegue segurá-la e Cario traz os guardas que tentam contê-la. Hannah diz que não tem mais nada a fazer no palácio e ao ver a taça, bebe todo líquido. Tais olha para Hannah apavorada. Dalila e Myra observam, sem entender. Hannah olha para Dalila, com ódio, antes de sentir-se mal e a taça cair de sua mão. Alguns homens brigam no povoado e Manoá os aparta. Ele proíbe que culpem Sansão pelas desgraças que caem sobre seu povo. Ao se alterar, Manoá sente dores no peito e cai. Sansão se aproxima de uma árvore e recosta o corpo de Ieda. Ela está quase inconsciente e pede perdão pelo que fez. Ela conta que Faruk a obrigou. Ieda ainda o chama de herói, antes de falecer. Sansão beija Ieda, bastante emocionado. Por trás de Sansão, surge Faruk acompanhado por outros soldados. Ele acusa Sansão pela morte de sua amada. Sansão levanta e avança sobre Faruk. Aron se afasta para buscar reforços. Após momentos de tensão durante a batalha, Sansão derrota Faruk. Dalila e Myra chegam à conclusão de que foi Tais que tentou envenená-las. Num Sansão carrega o corpo de Ieda. Dalila chega ao jardim do palácio e encontra Cario tocando um instrumento. Eles conversam até que algo chama a atenção do jardineiro. É Jana saindo do palácio. Dalila vai até ela e pergunta onde a moça está indo. Quer saber também se foi ela que tentou envenená-la. Jana fica nervosa e desconversa. Ela sai rapidamente. No povoado, Jidafe traz um garoto pelo braço. Seu nome é Gadi. Ele alega que o menino estava roubando comida e que merece punição. Samara puxa o garoto e o protege. Gadi explica que sua caravana foi atacada. Héber e Samara acolhem o menino. Gadi toma um caldo na casa de Manoá. Enquanto come, Zilá o observa e diz que ele lembra Sansão quando era criança. Jidafe se aproxima de Héber e se irrita com sua atitude de proteger o menino. Ele está prestes a agredir Héber, até que surge Sansão. Dalila entra no quarto e para diante de Tais, querendo saber se foi ela que tentou envenená-la. Sansão e Jidafe se encaram e discutem até que Jidafe se afasta. Héber abraça o amigo e pergunta sobre Ieda. Sansão não responde e diz que eles devem conversar. Dalila pressiona Tais até que ela confessa seu crime. Alguns guardas saem de esconderijos próximos e a levam. Tais promete vingança.

Capítulo 008, quarta-feira, 16 de março de 2016

Gadi dorme com a cabeça no colo de Zilá, como ela fazia com seu filho. Ela conta uma história enquanto acaricia seus cabelos. Ela fala sobre a saudade que sente de Sansão. É quando ele entra devagar. Zilá tira o menino de seu colo com cuidado e corre para abraçar seu filho. Os dois ficam emocionados. Abbas caminha para sua sala, seguido por Aron e outros soldados. Aron avista Yunet, deixa os soldados passarem e se aproxima. Eles se beijam e ainda conversam até que Aron diz que precisa ir. Dalila se banha enquanto conversa com Myra sobre o destino de Tais. Yunet entra ansiosa e fala sobre seu encontro com Aron. Ela também conta que os soldados estão atrás de Sansão e que ninguém é capaz de detê-lo. Dalila se interessa pelo hebreu. Abbas está furioso e diz querer mostrar para o príncipe que ainda está no controle. É quando Inarus o interrompe. O príncipe diz que já tomou conhecimento de todo o ocorrido e quer que Abbas planeje algo contra Sansão. Ele ordena que o comandante saia e que chame Dalila. Abbas se retira, contendo seu ódio. Dalila entra na sala de Abbas e o comandante pede que a cortesã não se deite com o príncipe. Ele ainda tenta beijá-la, mas Dalila escapa. Dalila está diante do príncipe. Ela o seduz e pede sua proteção para que não seja tocada por outros homens. Inarus diz que pensará em seu pedido. Alguns homens estão reunidos no povoado. Héber diz que Jidafe está impedindo as comemorações do povo, mas Sansão pede que comecem a organizar tudo advertindo qualquer um que tente impedir. Jidafe se ofende e ameaça Sansão. Alguns soldados estão no palácio, misturados às mulheres. Dalila fica desconfiada e Myra pede para que sua amiga relaxe. Ela conta sobre a primeira vez que viu Aron, na feira de Timna. Elas não veem, mas Yunet entra no quarto acompanhada por Aron. O soldado se assusta ao ver Myra e sai. Yunet se vira para apresentar Aron e se dá conta que ele não está mais lá. Muitas pessoas da tribo estão em uma tenda montada para a festa. Sansão ceifa o primeiro feixe de trigo e oferece ao altar, sendo acompanhado por outros homens. Jidafe anda pelo povoado, que está vazio. Ele chega num local mais afastado onde homens jogam adagas numa árvore. Jidafe os observa. Dalila caminha pelo jardim à procura de Cário. Ela para debaixo de uma árvore e o chama. Ela ouve um barulho em cima da árvore e Cário cai. Dalila pede que o jardineiro a avise quando Jana sair. Homens e mulheres comemoram. Um viajante observa Samara com malícia. Sansão percebe que uma bela mulher dança e olha para ele. Samara fala com Héber sobre sua oportunidade de se aproximar de Sansão. Ela pega a mão de Gadi e se afasta. O viajante a segue. Ela leva o menino até a casa de Zilá e Manoá, que não estavam nas comemorações. Jidafe caminha em direção à festa. Ele olha em volta e vê dois homens com adagas na mão, escondidos. Eles olham para Jidafe e apontam para uma árvore. Samara caminha sozinha, até que o viajante a segura, mas Héber chega e ordena que o homem a solte. Sansão observa a mulher que ri para ele e se afasta. Sansão vai atrás dela, mas vê Jidafe chegar. Sansão conversa com Jidafe e anuncia para o povo que não são inimigos. As pessoas aplaudem. Sansão sai em seguida, por onde foi a mulher. O homem larga Samara e avança sobre Héber, que apanha bastante. Samara pega um galho e bate na cabeça do homem. Ele larga Héber e cai ao chão. Samara ajuda Héber a se levantar. Sansão avista a mulher e ainda tenta impedi-la, mas ela continua caminhando. Myra diz a Dalila que Abbas mandou chamá-la. Dalila pede que Myra invente algo. É quando Cário surge na porta e faz sinal para ela. Dalila corre até o jardineiro, que avisa que Jana está saindo. Dalila e Cário caminham apressados e se deparam com Abbas. Ele diz que estava esperando a cortesã. Ele a pega pelo braço e a leva para a sala dele. Sansão alcança a mulher. Ela se vira para ele e o beija. A mulher leva Sansão para o local combinado, a árvore apontada pelos homens. Sansão beija a mulher e se lembra de sua esposa. Ela insiste e o segura, beijando-o novamente. Os homens aguardam para agir. Jidafe continua ali. Dalila é empurrada para a sala de Abbas. Ele a derruba e cai sobre ela. Cario entra nervoso e assustado. Sansão se desvencilha da mulher e tenta sair. Ela o segura. Sansão avista os homens que lançam as adagas. Uma fere Sansão. A outra acerta a mulher, que cai. Myra e Yunet correm ao ouvir os gritos de Dalila. As duas se deparam com Aron, também apressado. Ocorre uma confusão e Myra diz que ele é o homem por quem se apaixonou. Dalila grita e eles correm em direção à sala de Abbas. O comandante está sufocando Cário. Dalila tenta impedir. Aron entra correndo, seguido por Myra e Yunet. Abbas ordena que Aron leve Cário e o prenda. Abbas vai até Dalila e dá um tapa em seu rosto ameaçando-a. Héber entra no local da festividade, seguido por Samara. Sansão chega nervoso e dá uma chance para que o culpado se entregue. Sansão olha para Jidafe e pergunta se ele sabe de algo. Sansão o encara e ordena que seja preso. Myra e Yunet se aproximam de Dalila, com a vasilha e os panos. Dalila pede que Myra a leve até Inarus.

Capítulo 009, quinta-feira, 17 de março de 2016

Jidafe está no centro do povoado com mãos e pés amarrados. Abbas vai até Inarus e pede que Cário seja morto, mas o príncipe apenas pede que o mantenha preso. O comandante também deseja falar sobre Dalila. É quando Inarus a chama. Ele diz que a partir daquele dia, ela seria sua protegida. Sansão se reúne com Manoá e os anciãos da vila para discutirem o destino de Jidafe. Myra e Jana conversam sobre Aron até que Dalila entra na sala e diz ser a nova protegida do soberano. Ela reage satisfeita ao ver Jana sair sorrateiramente. Sansão e os anciãos decidem iniciar os julgamentos do povo. Jana caminha pela rua, enquanto Dalila a segue. Jana entra em uma casa bem simples. Dalila vai atrás e se surpreende ao ver um senhor bem idoso. É Aliã, pai de Jana. Ele estende a mão para Dalila e pergunta sobre seus pais. Ela diz que não tem e o senhor pergunta sobre a crença que tem em Deus. Yunet e Myra combinam de marcar um encontro com Aron na mesma hora para saber se ele mente. Jana explica que é hebreia e que tem medo que Abbas descubra. Dalila fica emocionada com a forma como Jana cuida de seu pai. Samara pede a Héber que a informe sobre o julgamento de Jidafe. Sansão julga os casos em seu povo, até que manda trazerem Jidafe. O julgamento se inicia. Os anciãos tentam impedir que Jidafe fale, mas Sansão permite que ele tente se defender. Abbas tortura Cário. Dalila caminha pelo jardim, até que chega num local onde Aron está junto de outros soldados. Ela pede para que o soldado a leve até Cário. Sansão se aproxima de Jidafe, diante da expectativa de todos. Ele anuncia que já tomou sua decisão. Sansão o absolve. Héber vai até Samara para contar-lhe o desfecho do julgamento. Ela fica feliz e se afasta. Héber ainda se declara, mas ela não ouve. Aron leva Dalila até a cela de Cario. Ele está muito machucado e ela cuida de seus ferimentos. Myra e Yunet estão tristes e descobrem que Aron não apareceu para o encontro com nenhuma das duas. Dalila passa por elas e se aproxima de Jana que está arrumando suas roupas. Dalila diz para Jana ficar, pois ela não a entregará. Myra e Yunet se aproximam. Dalila pede a ajuda de todas para salvar Cário. Sansão está em um momento de descontração com Gadi até que Jidafe chega. Ele pede perdão à Sansão, que aceita suas desculpas. Zilá está à beira da cama, rezando, sob o olhar carinhoso de Manoá. Ele parece fraco, como se seus olhos fossem fechar. Ele fala emocionado sobre Sansão. Manoá fecha os olhos, devagar e sua esposa fica desesperada. Inarus dá autorização à Abbas para que busque reforço em outros povoados para abaterem Sansão. Sansão está próximo ao pai. Zilá observa, chorando bastante. Manoá pede que sue filho liberte o povo hebreu das mãos dos inimigos filisteus. Sansão assente e logo em seguida, Manoá morre. Dalila e Jana procuram a feiticeira que deu o veneno para Tais. A mulher traz para Dalila um frasco com um líquido prometendo que o sofrimento acabará.

Capítulo 010, sexta-feira, 18 de março de 2016

A feiticeira orienta Dalila para que misture o líquido na água. A pessoa entra em sono profundo. Só sol a desperta. Aron vai até a cela de Cário e acha que ele está morto. Depois, vê-se o corpo de Cário enrolado em um manto escuro perto do mar. O manto se abre e o jardineiro sente o sol em seu rosto. Quando abre os olhos, Dalila está sorrindo, olhando para ele. Abbas pergunta se Aron jogou o corpo de Cário no mar sem ser visto. O soldado assente. Cário fica na casa onde está hospedado Aliã. Jana cuida de seu pai. O homem pergunta novamente sobre os pais de Dalila e ela decide contar sua história. Sansão, Jidafe e outros homens carregam o ataúde de Manoá. Zilá e outras mulheres caminham na frente deles. Aron avisa para Myra e Yunet, em momentos diferentes, que está de partida para convocar homens para se aliarem ao exército filisteu. Zilá deixa uma última flor no local em que foi colocado o corpo de Manoá. Todos se retiram e Sansão agradece a seu pai pela honra de ser seu filho. Aliã aconselha Dalila. Pede que volte a seu povoado e faça as pazes com sua mãe. Sansão se encontra com Samanta e Héber e diz que fará o que seu pai pediu: visitará outros povos para libertar seu povo. Dalila chega até o palácio e avisa para Myra que visitará seu povoado. Uma semana depois, Dalila chega a Zorá e encontra sua mãe. Agar ainda resiste um pouco, mas pede desculpa à sua filha, que se emociona e a perdoa. Ela tenta convencer sua mãe a deixar o povoado. Dalila está de partida. Agar a adverte para que não fique deslumbrada com sua nova vida. Sansão avisa para sua mãe que está de partida. Ela não aprova e se afasta, triste. Sansão se despede de todos no povoado. Quando ele vai sair, Zilá o chama e o abençoa antes de sua partida. Abbas está satisfeito diante de Inarus. O exército que consegue reunir cresce mais a cada dia que passa. Os homens planejam ataque a todos os povoados hebreus à procura de Sansão. Sansão está dormindo na fenda de uma rocha no pé de uma montanha. Ele desperta e vê o Andarilho que o convida para ir até o povoado próximo. Sansão se nega a ir, pois decide conquistar a confiança do povo antes de se revelar. Aron se alarma ao ver o hebreu que não o avista. Yunet e as cortesãs estão ensaiando para seu número. Jana entra correndo na sala e diz que Inarus está chamando Myra. Dalila chega até a casa de Jana e fica feliz ao ver a saúde de Cário. Ela diz para Aliã que fez as pazes com sua mãe. O jardineiro avisa para Dalila que os príncipes filisteus já estão na cidade. Abbas fica alarmado diante de Aron ao saber da localização de Sansão. Sansão ajuda os moradores do povoado em suas atividades. Abbas ordena que o exército seja convocado para ir atrás do hebreu. Myra está diante de Inarus que está irritado com a demora de Dalila. Quando ele pensa na possibilidade da fuga de sua protegida, Dalila entra. Ela vai beijar o soberano, mas Abbas chega e anuncia que encontraram Sansão. Abbas marcha à frente do exército de mais de mil homens. Alguns homens de Judá avistam, ao longe, a chegada do exército. 

É proibido reproduzir, reescrever ou copiar, integralmente ou parcialmente, o conteúdo do site Notícias de TV, sob pena de ação judicial pelo crime de violação de direito autoral, previsto no código penal brasileiro. Todos os direitos são reservados.